Sítio Atibaia: com pena aumentada, Lula poderá cumprir mais de 2 anos em regime fechado

O advogado de Lula, Cristiano Zanin, considerou a decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) incompatível com o que diz o Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a ordem das alegações finais nos processos. Em julgamento nesta quarta-feira (27), a pena de Lula foi elevada para 17 anos, um mês e 10 dias no caso do sítio de Atibaia. A defesa vai recorrer. Em fevereiro de 2019, Lula havia sido condenado a 12 anos e 11 meses por corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro na primeira instância.

O pedido principal da defesa de Lula era a anulação do processo. Um dos argumentos usados foi a determinação recente do STF de que réus que não são delatores, caso do ex-presidente, devem apresentar alegações finais por último.

A sentença do TRF no segundo, e mais robusto, processo, reforçou o letreiro de condenado na testa do ex-presidente, que tenta reverter o revés contestando a imparcialidade dos julgadores.

Solto, mas não inocentado, Lula corre contra o tempo, mas as portas em cada ponta do labirinto seguem obstruídas, fechando aos poucos.

Lula responde, ao todo, a nove processos. Caso a sentença do TRF-4 seja confirmada nas cortes superiores, ele cumprirá pelo menos mais 2 anos e 9 meses em regime fechado.

Da redação com G1 e Yahoo

Mostre mais
Fechar