“Palanque quem faz sou eu”, diz Ricardo em entrevista ao atacar jornalista e MPPB; ouça

O ex-governador Ricardo Coutinho suou como se estivesse em uma sauna durante entrevista à rádio Sanhauá nesta sexta-feira (13), ao falar pela primeira vez publicamente após sair da prisão. Durante sabatina na rádio Sanhauá, Ricardo se desentendeu ao vivo com o jornalista Ítalo Kubitschek, ao ser questionado sobre as investigações da morte do diretor do Jampa Digital, Bruno Ernesto.

“O Ministério Público fez duas investigações e mandou arquivar. Isso faz tanto tempo e nem prefeito eu era, querido. Palanque quem faz sou, não é você não”, retrucou o socialista, que foi preso e posteriormente beneficiado por um habeas corpus pelo Superior Tribunal de Justiça.

Ricardo também pôs em xeque as delações feitas no decorrer da investigação do Gaeco, do Ministério Público do Estado (MPPB) e “Delação em lugar nenhum serve como prova de nada, quem está preso faz qualquer coisa pra sair. É preciso ter muito cuidado com isso. Cadê as provas? A pessoa estar presa por si só é uma tortura. Não tenho a menor dúvida que os depoimentos que ouvi são induzidos, porque se não falasse sobre mim não sairia da prisão”, declarou.

Ele questionou, também, a forma como o MPPB tem conduzido as investigações que apontam desvio milionário de recurso da Saúde e da Educação da Paraíba. “Fiquei calado porque eu queria que o MPPB e a Justiça não tomassem qualquer pronunciamento meu como tentativa de obstruí-los e tinha companheiros presos foram presos cujo crime foi governar pra maioria. Passaram dois meses e meio presos e não foram interrogados. Se eu prendo alguém pra aprofundar as investigações era pra interrogar”, questionou.

Ricardo voltou a se comparar à Lula e insinuou que tem sido vítima de um plano nacional por ter apoiado os ex-presidentes petistas. “Daniel, daqui a alguns anos quando essa história for contada de verdade, vão saber que isso foi preparado alguns anos atrás, em 2015 e 2016. Isso foi preparado para algumas pessoas e o alvo era eu, porque lutei contra o impeachment, porque tenho posicionamento, porque fui visitar Lula duas vezes em Curitiba e trouxe Dilma aqui no Espaço Cultural grande manifestação”, falou. Ouça trecho da entrevista:

 

 

Mostre mais
Fechar