Agência reguladora da Europa autoriza uso da vacina da Pfizer e BioNTech

A agência de regulação de produtos médicos da Europa (EMA, na sigla em inglês) aprovou nesta segunda-feira (21) o uso da vacina contra o coronavírus desenvolvida em conjunto pela Pfizer e pela BioNTech.

Com a luz verde da EMA, o passo final é uma autorização da Comissão Europeia, que deve ser dada ainda nesta segunda-feira.

A presidente da comissão, a alemã Ursula von der Leyen, afirmou que eles vão agir rapidamente.

A partir desse momento, os países da União Europeia poderão começar suas campanhas para imunizar suas populações.

Alemanha, França, Áustria e Itália já disseram que pretendem começar a vacinar no dia 27 de dezembro.

No Reino Unido, Israel, Estados Unidos e Arábia Saudita a população já está sendo vacinada.

As preparações para o início da campanha acontecem no mesmo momento em que há a identificação de uma variante mais transmissível do vírus no Reino Unido. Vários países europeus fecharam suas fronteiras aos viajantes que têm o país como origem.

Segundo a EMA, é provável que a vacina funcione para essa nova variante.

Motivação da campanha

A pandemia matou cerca de 470 mil europeus. As infecções se aceleraram nos últimos meses, e, consequentemente, a economia piorou.

Governos de diferentes países voltaram a impor medidas restritivas para tentar impedir a propagação do coronavírus.

Para vacinar a população em massa, foram convocados estudantes de medicina, médicos aposentados, farmacêuticos e soldados. É uma campanha de escala sem precedente.

Há grupos prioritários para receber a injeção: profissionais da saúde e idosos que vivem em asilos.

De acordo com os planos da maioria dos países europeus, a população em geral só será vacinada no meio de 2021.

A meta é alcançar uma cobertura de 70% da população do bloco (cerca de 450 milhões de pessoas nos 27 países).

Mostre mais
Fechar