Após se recuperar da Covid-19, compositor paraibano lança música com reflexão sobre a pandemia

A rapidez com que ‘de repente’ mais de 500 mil vidas chegaram ao fim por causa da Covid-19, em todo o mundo, foi um dos pensamentos que martelaram na cabeça do compositor Bráulio Medeiros, de 45 anos, durante a pandemia. Antes de ser infectado pelo novo coronavírus, ele começou a escrever uma música, que foi desenvolvida enquanto sentia os impactos da doença no corpo, e concluída após a recuperação.

De repente eu voltei pra casa sem ter saído

De repente encontrei os meus filhos sem ter perdido

Consegui aumentar o amor pelo meu amor, foi assim

A canção, chamada de “De repente” reflete sobre o que é caro, mas não tem preço para o sertanejo, que nasceu no município paraibano de Patos, e mora em Recife, capital pernambucana, há cerca de 18 anos.

“Uma parada à força no isolamento protocolar e com tantas incertezas sobre a evolução da doença faz a gente refletir naturalmente sobre o quanto a gente não enxerga de coisas bonitas e simples pela correria do dia a dia”, explicou.

O isolamento de 14 dias dentro do vazio de um quarto, longe dos filhos que estavam debaixo do mesmo teto, mas sem contato, reforçou para o compositor que a única realidade possível envolve a valorização da família e dos amigos.

De repente sobrou roupa nova sem ter comprado

De repente um Deus esquecido foi relembrado

No cansaço de quem correu tanto e parou em si, foi assim

Eu não sei por obra de quem, mas a gente sente

Que a simplicidade voltou a ser parte do mundo da gente

A saudade se materializou em todas as gerações da família. Voltar a fazer ligações de rotina para os pais se tornou sinônimo de alívio e calmaria.

Bráulio não precisou ser hospitalizado, mas foi castigado por sintomas comuns provocados pelo novo coronavírus como febre, dor de cabeça, cansaço e a ausência de paladar e olfato.

De repente um vento varreu da agenda os planos

De repente falsos semideuses viraram humanos

Vi nascer verdadeiros heróis de marcas no nariz, foi assim

Solitário em um cômodo durante duas semanas, o único contato foi com a esposa, que é enfermeira e estendeu para o lar os cuidados que adota na profissão. Tomar as medidas corretas de prevenção à Covid-19 impediu que outra pessoa da casa se contaminasse.

A letra da canção se mistura com a serenidade das notas musicais e espelha o cenário de comoção mundial.

“A poesia é uma reflexão não da doença em si, mas do momento mundial e sobre a importância de fortalecer valores que eu já praticava antes da pandemia, a exemplo de curtir a família, mas que de repente ficaram mais explícitos”, concluiu.

Vi que um sorriso é bonito demais e o preço da paz não se paga em moeda

Vi que aprender a esperar e saber levantar vale mais que a queda

Saudade do Mensageiro na dor da lembrança e um fio de esperança no peito de quem

Voltou a ligar pros seus pais todo dia e tem a alegria de ouvir à distância um simples tô bem

 

Mostre mais
Fechar