Assessora da Fundação Palmares cria curso para treinar candidatos bolsonaristas

A publicitária Raquel Cristina Brugnera, assessora do presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, dá aulas em um curso que tem por objetivo ensinar candidatos bolsonaristas e conservadores a criarem uma campanha eleitoral ou se tornarem estrategistas políticos.

Raquel foi nomeada em 10 de junho para a Fundação Palmares, cujo salário é de R$ 5.600. O curso “Método Eleitoral” foi desenvolvido por ela duas semanas antes de assumir o cargo.

A bolsonarista afirma que seu curso “tem o propósito de oferecer a seus alunos uma preparação de montagem de campanha eleitoral e treinamento de equipes, com a finalidade de potencializar a votação nos pleitos”.

Nas redes sociais, Brugnera promete que, em um mês, o curso ajuda a montar “redes de contato, argumentação para alimentação das redes sociais e para retórica, além de estrategistas especializados em blindar e promover seu nome”.

Em uma live do curso, realizada no dia 28 de junho, ela afirmou que os eleitores deveriam printar postagens de pré-candidatos que defenderam o isolamento social e o fechamento do comércio.

“Vai lá, faz um print falando da reabertura do comércio. E a hora que esse cidadão for bater na sua casa, falar sobre emprego, pelo amor de Deus. Você manda o print para mim que eu sei o que fazer. Porque não dá para aturar esse tipo de gente hipócrita”, disse.

A publicitária já ocupou cargo na Secretaria da Cultura durante a gestão de Roberto Alvim, mas depois foi demitida por Regina Duarte. No início do ano passado, Brugnera ganhou destaque por publicar um artigo de opinião com informações falsas sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco.

No artigo “O PSOL não quer mais saber quem mandou matar Marielle…” publicado no “Jornal da Cidade Online”, no dia 29 de março de 2019, Brugnera afirma que o partido teria perdido o interesse na resolução do crime pois os executores seriam ligados a traficantes de drogas.

Mostre mais
Fechar