CAMPANHA PAGA PELA CRUZ VERMELHA: Romero Rodrigues é denunciado na Calvário por uso de propina

O ex-prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues foi denunciado pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) no âmbito da Operação Calvário. Além dele, os advogados Jovino Neto e Saulo Ferreira. A operação investiga desvio de recursos públicos na Paraíba.

De acordo com a denúncia, a campanha de Romero a prefeito de Campina teria sido custeada com recursos de propina por parte do empresário Daniel Gomes, gestor da Cruz Vermelha, que “almejava (como contrapartida) expandir sua atuação, por meio do ecossistema de empresas manietadas pela joint venture criminosa, o que torna inequívoca a estratégia do grupo: fazer refém as estruturas de Poder e Lá fazer jorrar recursos ou criar ambiente para a defesa de suas causas ou pessoal

“Como se ver o contrato não foi implementado – registrando-se que a propina acertada foi efetiva e integralmente repassada ao então candidato a prefeito de Campina Grande-PB, ROMERO RODRIGUES VEIGA, parte em mãos e outra parte através de JOVINO MACHADO DA NÓBREGA NETO, advogado sócio do escritório de Advocacia CUNHA LIMA E TARGINO, à época, também, ocupante da carga de Coordenador Jurídico do Governo do Estado da Paraíba, comandado por RICARDO VIEIRA COUTINHO, em razão de fatos alheios à vontade dos denunciados, visto que os episódios que se sucederam após a aprovação jurídica-normativa, ano de 2013 pela Câmara de Vereadores de Campina Grande, ocasionaram rupturas e afastamentos entre integrantes dos grupos políticos comandados pela família CUNHA LIMA (Campina Grande) e o governador do Estado Ricardo Coutinho , em razão da disputa pelo Governo de Estado nas eleições de 2014”, diz a denúncia.

Em delação premiada, Daniel Gomes disse que o ex-prefeito Romero Rodrigue “em comunhão de esforços e unidade de desígnios, com o denunciado segundo (JOVINO MACHADO DA NÓBREGA NETO) solícito e recebeu para sidiretamente, diretamente e antes de assumir a função de prefeito de CAMPINA GRANDE, mas em razão dela, vantagem indevida consistente na importância de R$ 150.000,00 (cento e cinquenta mil reais) a título de propina de propina. , antes das eleições de 2012”.

Este valor foi pago, segundo o MPPB, “integralmente antes do pleito municipal de 2012, em duas parcelas, utilizando-se para tanto do 2º denunciado (JOVINO MACHADO DA NÓBREGA NETO) que no mês de ano de 2012 (ano das eleições municipais), viajou para a cidade do Rio de Janeiro, como representante dos interesses políticos do grupo liderado pela família CUNHA LIMA, em Campina Grande , mas, também valendo-se da condição de aliado do Governador do Estado RICARDO COUTINHO, vez que ocupava a carga de Coordenador Jurídico do Governo, com o intuito de encontrar com DANIEL GOMES DA SILVA, a fim de solicitar o valor indevido em razão da futura função que o primeiro ROMERO RODRIGUES VEIGA ocuparia”.

A contrapartida, segundo os promotores, foi de que Romero, caso fosse eleito prefeito, “entregaria a administração do hospital municipal de Campina Grande (ISEA) para que se repetisse aquilo que já ocorria no HETSHL (Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena) da capital do estado, onde mensalmente DANIEL GOMES DA SILVA repassava um valor previamente combinado ao chefe do Executivo Poder”.

A força-tarefa pede a aplicação da perda de carga, emprego, função pública ou mandato eletivo dos réus como efeito da condenação, além de reparação de danos morais no valor de R$ 150 mil.

Mostre mais
Fechar