DIETA EM RISCO? Cerveja sem álcool traz benefícios, mas tem mais carboidratos

Para os apreciadores de uma boa gelada, seria quase uma ofensa pedir para descer uma rodada de cerveja sem álcool. Porém, a busca por um estilo de vida mais saudável e a promessa de que a bebida ainda traz benefícios para a saúde, a tornam digna de atenção. Será que vale mesmo?

A cerveja sem álcool é feita exatamente dos mesmos ingredientes das cervejas comuns, ou seja, são basicamente compostas de água, malte, cereais não maltados e lúpulo. “A formação do álcool acontece durante o processo de fermentação. É possível usar cepas de leveduras especiais que não produzem a substância ou ainda fazer a remoção térmica do álcool durante o processo de fabricação”, conta Ana Luiza Campanholo, endocrinologista da Fundação Pró-Renal.

Por esta razão, Campanholo explica que a versão zero álcool apresenta os mesmos benefícios da versão convencional, com a vantagem de não trazer os malefícios do álcool. Mas que benefícios são esses? “O lúpulo, planta que confere o sabor amargo à cerveja, contém propriedades antioxidantes, as quais combatem os radicais livres e reduzem riscos de inúmeras doenças crônicas como doenças cardiovasculares e câncer”, explica Mayara Olikszechen, nutricionista clínica funcional do Ambulatório de Nefrologia da Fundação Pró-Renal.

Além disso, a cerveja com ou sem álcool costuma ter vitaminas do complexo B, que colaboram para a saúde dos nervos, pele, olhos, boca, cabelo e tonicidade muscular do aparelho gastrointestinal. De acordo Dan Waitzberg, professor do Departamento de Gastroenterologia da FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo) e diretor do Ganep Nutrição Humana, a cerveja possui compostos bioativos que auxiliam na manutenção das células, na geração de energia e na prevenção de doenças crônicas não transmissíveis.

Não por acaso a cerveja sem álcool ganhou até mesmo o apelido de cerveja esportiva. “A cerveja sem álcool oferece propriedades isotônicas (reposição de água e sais minerais perdidos no suor) e auxilia na reposição de energia, por conter carboidratos”, aponta Waitzberg.

Porém, ainda é preciso ter cautela, já que os estudos ainda precisam de mais embasamentos científicos para garantir os benefícios do consumo da cerveja sem álcool, não só como isotônico, mas de modo geral. “Acredito que todos os nossos hábitos necessitam de moderação. A quantidade de consumo seguro é relativa à população avaliada. Por exemplo, os efeitos da cerveja não alcoólica na amamentação precisam de uma investigação mais aprofundada”, aponta Campanholo.

Além disso, algumas cervejas sem álcool possuem ainda mais carboidratos em sua composição do que sua versão alcoólica, como é possível ver na tabela no final dessa reportagem. Por mais que este seja um nutriente importante para a alimentação, nossa dieta já tende a ser rica em carboidratos, portanto, é importante ficar atento ao rótulo e moderar o consumo.

Alguns estudos sugerem ainda que a cerveja não alcoólica traria melhora dos níveis de sono e ansiedade. Segundo um estudo da Universidade de Indiana (EUA), apenas o gosto da cerveja já seria capaz de liberar dopamina no cérebro, um neurotransmissor responsável pela sensação de prazer. “Mas todos esses efeitos benefícios ainda necessitam de maior comprovação científica”, reitera a endocrinologista.

Quem não deve consumir?

Segundo Waitzberg, a quantidade de consumo é individual, mas alguns grupos precisam ter cautela. “Por ser tratar de uma bebida rica em carboidrato, o consumo demasiado pode favorecer o ganho de peso e prejudicar indivíduos com restrição deste nutriente”, destaca.

Os pacientes diabéticos devem ter os mesmos cuidados que qualquer outra pessoa no uso da cerveja sem álcool e não exagerar na dose. “Deve-se considerá-la como complementar a alimentação na questão de quantidades de calorias e carboidratos. Em caso de abuso, pode haver aumento do açúcar no sangue (glicemia), o que pode acarretar o descontrole da doença”, alerta Campanholo.

Os celíacos, pacientes que sofrem com a doença autoimune que causa intolerância ao glúten, devem observar no rótulo a presença dele tanto em bebidas com quanto sem álcool. “A cerveja sem álcool oferece aproximadamente 20 gramas de carboidratos e 132 kcal por lata de 350 ml, então deve-se usar o equilíbrio e considerá-la como complementação da alimentação”, conclui a endocrinologista.

Compare os nutrientes!

Antes de escolher qual cerveja será a escolha do próximo happy hour, compare as duas opções e beba com moderação, seja lá qual for a sua escolha!

Calorias

  • Cerveja comum: 153 kcal
  • Cerveja sem álcool: 133 kcal

Álcool

  • Cerveja comum: 14 g
  • Cerveja sem álcool: 1 g

Carboidratos

  • Cerveja comum: 13 g
  • Cerveja sem álcool: 29 g

Proteínas

  • Cerveja comum: 2 g
  • Cerveja sem álcool: 1 g

Cálcio

  • Cerveja comum: 4 a 6 mg
  • Cerveja sem álcool: 3 a 8 mg

Vitamina B1

  • Cerveja comum: 2 mg
  • Cerveja sem álcool: 3 mg

Vitamina B2

  • Cerveja comum: 2 mg
  • Cerveja sem álcool: 3 mg

Vitamina B3

  • Cerveja comum: 2 mg
  • Cerveja sem álcool: 3 mg

Vitamina B6

  • Cerveja comum: 2 mg
  • Cerveja sem álcool: 3 mg

Ácido fólico

  • Cerveja comum: 2 mg
  • Cerveja sem álcool: 3 mg

Informações retiradas do banco de alimentos da USDA (sigla inglesa para Departamento de Agricultura dos Estados Unidos)

Mostre mais
Fechar