‘EU ESTAVA NA MISSA’: Polícia acaba com festa para 700 pessoas na casa de Elba Ramalho e cantora diz não saber de aglomeração

Elba Ramalho afirmou que não tem nenhum envolvimento com a festa realizada em sua propriedade de Trancoso, na Bahia.

Na noite de ontem, a polícia local interrompeu uma festa com cerca de 700 convidados na casa que, segundo a cantora, estava alugada para turistas, como ela sempre faz em final de ano. Elba afirmou que havia autorizado um evento para “somente” 200 pessoas e que estava em uma missa quando soube da ação.

“A casa foi alugada do dia 25 de dezembro ao dia 4 de janeiro, como todos os anos eu faço. Esse é um período em que eu alugo outra casa ou fico numa pousada porque eu venho mesmo para descansar. A casa está nas mãos de outras pessoas, que vão responder. A responsabilidade é delas, não é minha”, explicou Elba em entrevista à Quem.

A cantora, de 69 anos, detalhou ainda que está hospedada no ClubMed, um hotel a 10 km de sua casa alugada, e que só soube que seus hóspedes haviam infringido as restrições estabelecidas contra a covid-19 quando começou a receber mensagens durante uma missa.

“Estava na missa. Estava na igreja às 19h, fazendo a leitura de Salmos quando comecei a receber mensagem sem entender o que estava acontecendo. Fui incisiva com eles, dizendo que não poderiam infringir a regra determinada pelo juiz de Porto Seguro, que seria festa somente para 200 pessoas. Eles sabiam disso”, criticou.

Elba ainda deixou claro que participou apenas de um evento desde que chegou a Trancoso, dizendo contar com testes de coronavírus dados por um amigo, dono de laboratório.

“Estou tranquila no meu canto. Fui na inauguração de uma loja de um grande amigo e tomei um vinho. Sou filha de Deus, sou humana. Todo mundo testado. Temos um amigo que é dono de um laboratório e ofereceu teste de covid-19 pra todo mundo. Dançamos um pouquinho de forró, nada demais”, detalhou ela, que teve que ir até sua casa alugada para acabar com a festa.

“Quanto a essa festa na minha casa, não posso responder. Claro que estou chateada com as pessoas que alugaram, e eles vão ter que segurar essa marimba. Realmente eu sou totalmente inocente nessa história. Estou supertranquila, não gosto de festas. Minha relação é com o povo da terra. Estou num lugar muito calmo. A polícia fez muito bem de ir lá e acabar com a festa. Pra mim, foi um susto, até porque eu estava avisando o tempo todo”, concluiu.

Denúncia anônima levou polícia à festa

Em nota, a SSP-BA (Secretaria de Segurança Pública da Bahia) afirmou que o 8º BPM (Batalhão da Polícia Militar) encerrou a festa após uma denúncia anônima.

“O 8° Batalhão da Polícia Militar (BPM/Porto Seguro) encerrou mais um evento irregular, no distrito de Trancoso. A festa acontecia em um imóvel de luxo, na noite de terça-feira (29), com a participação de cerca de 700 pessoas”, diz a nota.

“Dessa vez, uma denúncia anônima levou as guarnições até o local. O evento, que segundo apuração inicial teve ingresso comercializado através de redes sociais, foi encerrado e o público dispersado.”

Ainda de acordo com a SSP, o responsável pela festa “foi identificado e será apresentado na Delegacia Territorial (DT) de Porto Seguro”.

Mostre mais
Fechar