‘FICÇÃO’: Pedras de Fogo passa por mais uma ‘provação’ e tem segunda pesquisa impugnada após Justiça Eleitoral encontrar irregularidades

A cidade de Pedras de Fogo está passando por uma eleição no mínimo “conturbada”. Após requerimento da justiça de tropas federais para acompanhar as eleições e garantir o direito a democracia, a cidade passa por mais um episódio de desrespeito ao eleitor.

Recentemente uma “pesquisa” foi impugnada pela Justiça Eleitoral. A empresa Gustavo Roque Tenório não cumpriu requisitos de lisura e colocava um determinado candidato em situação de vantagem.

Desta vez a empresa FRANCISCO VIRGULINO DE  AMORIM-ME/IMAPE – Instituto Majoritário de Pesquisas e Estatísticas, registrou pesquisa de opinião pública para a eleição em Pedras de Fogo. A pesquisa foi impugnada, sob a alegação de que a pesquisa não seguiu os dados das fontes públicas (IBGE e TSE) indicados no plano amostral, usando dados desatualizados.

Além disso, a empresa que realizou a pesquisa tem um péssimo histórico de atuação: realiza trabalhos em municípios de pequeno e médio porte, do interior de Pernambuco, Paraíba e Ceará. Na impugnação, foram apresentadas ao menos 10 decisões liminares, suspendendo pesquisas dessa mesma empresa, e o fato mais grave é que o dono da empresa já foi condenado por “Falsificação ou Alteração de Documento Público para Fins Eleitorais”. Confira no link  abaixo o histórico da empresa demandada.

Histórico apresentado a justiça. 

 

Mostre mais
Fechar