Fundo de investimentos acusa Band e igreja Universal de criarem esquema para não pagar dívida milionária

O fundo Distressed Fundos de Investimento em Direitos Creditórios Não Padronizados entrou na Justiça para cobrar uma dívida de mais de R$ 40 milhões da Band e da Igreja Universal. Atualmente o cargo está na 23ª Vara Cível do Foro Central de São Paulo. Segundo informações do jornalista Ricardo Feltrin o fundo acusa a Band e a igreja de Edir Macedo de criarem uma manobra” para evitar que cinco parcelas, de mais de mais R$ 8 milhões cada, fossem pagas a ele.

As parcelas são devidas, na verdade, pela Band —que recebeu um “empréstimo” milionário do fundo anos atrás. Como garantia de pagamento os credores dizem que a Band “empenhou” as parcelas mensais que recebe da Igreja Universal pelo arrendamento do canal 21.

O total passa de R$ 40 milhões, segundo a ação. Quem representa os credores é o escritório Teixeira Fortes Associados. Ouvidas pela coluna, os departamentos Jurídicos da Band e da Igreja Universal confirmam a existência do processo, mas dizem não dever nada ao fundo e que a situação será esclarecida e resolvida pela Justiça.

O fundo compra dívidas de empresas, entre outros investimentos. Ele teria adiantado uma verba milionária à Band anos atrás (o valor total não foi revelado na ação). Em troca, a emissora deu de garantia aos credores os pagamentos que a Igreja Universal lhe faz mensalmente pela ocupação do canal 21. Essas parcelas, diz o fundo, não podem ser usadas em outras finalidades. São a garantia.

Desde junho, porém, esse dinheiro parou de cair na conta a qual o fundo fazia os descontos. Cada parcela tem o valor exato de R$ 8.237.608,06. Em termos duros na ação de cobrança, o fundo acusa as duas pessoas jurídicas de se unirem para prejudicá-lo e para a emissora não pagá-lo ou atrasar o pagamento da dívida.

A ação de cobrança diz que a Universal sabia desse contrato. Na ação, o Distressed afirma que a Band “orquestrara um golpe financeiro contra o Fundo autor e outras casas bancárias, visando desviar para si os pagamentos de créditos pelos quais já havia recebido (em empréstimo)”. Há uma outra ação específica contra a Band no caso.

E outra para a Igreja Universal, que é esta que está na 23ª Vara. A entidade religiosa afirma que o contrato de “empréstimo” (ou compra da dívida) foi assinado pelo fundo com a Band, e não com ela. Diz ainda que seu acordo é com o canal 21, uma pessoa jurídica completamente distinta do da Band. Não há data prevista para a análise e julgamento da reivindicação pela Justiça. Os fundos que compram dívidas de empresas (e até de países) são relativamente comuns no mercado.

Mostre mais
Fechar