Governo Bolsonaro pagou R$ 47 milhões à JBS em picanha para as Forças Armadas

Envolvida em um novo escândalo após a revelação feita por Crusoé sobre a operação de bastidores — que contou com a participação pessoal do presidente da República, do seu advogado Frederick Wassef e do procurador-geral da República, Augusto Aras — para tentar salvar seu acordo de delação premiada na PGR, a JBS assinou R$ 47 milhões em contratos com o governo de Jair Bolsonaro.

Como revelou Crusoé nos últimos dias, a JBS pagou 9 milhões de reais ao advogado Frederick Wassef nos últimos cinco anos. O então defensor do presidente Bolsonaro e de seu filho 01, o senador Flávio Bolsonaro, foi sem procuração à sede da PGR em outubro do ano passado para falar sobre o acordo de delação da empresa dos irmãos Batista assinado em 2017, mas que corre sérios riscos de ser rescindido devido a irregularidades cometidas pelos empresários.

A JBS confirmou ter contratado o escritório de Wassef, mas disse que o advogado atua em “inquéritos policiais” e não no acordo de delação junto à PGR. Wassef, que em julho havia negado ter contrato com o frigorífico, disse que não tratou sobre a colaboração da empresa no Ministério Público Federal. Aras disse que não recebeu nenhum pedido de Bolsonaro sobre

Mostre mais
Fechar