Homem decide casar consigo mesmo após término do noivado – VEJA VÍDEO

Os vídeos do evento, realizado em um resort em Itacaré, na Bahia, viralizaram nas redes sociais esta semana

Três meses antes de seu casamento, o noivo do médico Diogo Rabelo, de 33 anos, decidiu terminar o relacionamento que durou um ano e meio. No entanto, em vez de cancelar a cerimônia, Diogo decidiu casar consigo em 17 de outubro.

Os vídeos do evento, realizado em um resort em Itacaré, na Bahia, viralizaram nas redes sociais esta semana. Em meio a paisagem paradisíaca, a ausência do noivo e o discurso do médico chamaram a atenção dos internautas.

Em umas das gravações, com cerca de 10 min, Diogo diz “sim” para si mesmo diante de um espelho. “O sentido da minha vida não será aquele que foi largado no altar, isso é apenas um pequeno detalhe que faz parte de um todo. Detalhe importante e que criou um tecido essencial para que eu aprendesse a minha maior e talvez mais dolorosa lição, a de saber me amar”, diz o médico.

Resort não faria reembolso

“Nós noivamos em novembro do ano passado, em janeiro começamos a morar juntos, e em fevereiro assinamos o contrato do casamento. Combinamos que eu pagaria a cerimônia e que ele me reembolsaria depois aos poucos, mas terminamos em julho depois de uma série de brigas”, contou Diogo.

Mesmo em meio à pandemia, o médico decidiu manter o evento, já que muitos convidados já teriam comprado passagens e o resort não faria reembolso. No total, dos 100 convidados previstos para a cerimônia original, 40 compareceram ao evento (todos do lado de Diogo).

“A gente se separou definitivamente em julho, quando ele saiu de casa. Eu fiquei desesperado, fui atrás, disse a ele que o amava, até que me mataria se não tivesse volta, mas ele não se comoveu. Analisei a situação durante um mês, e decidi que eu tinha que me valorizar e me amar. Mantive a cerimônia e, dos meus 50 convidados, 40 vieram”, afirmou Diogo.

Entre comentários negativos e positivos sobre sua decisão, Diogo afirma que não quis se fazer de vítima. “A mensagem que eu queria passar para as pessoas com esse meu casamento não é a de vítima, eu não dependo de um casamento para ser feliz. Eu quero casar com outra pessoa sim, e quero ter filhos, mas minha felicidade não pode depender disso”.

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

A mim, Eu acredito que tudo seja vaidade. Tudo é efêmero e só o desconhecido, que procuro conhecer, me traz a paz em saber que Ele é eterno, Deus. E o que me liga a Deus se não a manifestação do amor? Por isso eu me desapego para ir ao encontro do criador. Eu me desapego de uma ilusão de felicidade, onde 1 + 1 = 1. Eu me desapego da ostentação, eu me desapego do orgulho e eu me entrego à humildade. Eu tenho a mim o que Nietzche afirma sobre “alegria trágica”, como aquele que celebra a vida porque ela é frágil, finita e sem sentido, ou seja, ser feliz, perdoar, acreditar, amar é uma escolha, e a nossa vida é feita de nossas escolhas, simples. Mas, Diogo, se a vida é sem sentido, qual seria o sentido disso tudo? Viver é perder-se. É preciso ter coragem para descobrir seu sentido. É preciso beber da vida para saber seu gosto. É preciso entregar as fichas para alguém e ser traído para saber o valor das suas fichas. A gente cresce na experiência, e quando me perguntares por que tatuei “pain” em meu braço, é para lembrar de que a evolução, infelizmente, vem com dor e choro. Chega um momento em nossa vida que para continuarmos é necessário largar nossos hábitos, vícios, lembranças e traumas para poder seguir adiante. E este ato simbólico de casar comigo mesmo é o meu ponto mais alto de expressão ao meu amor próprio. Eu aprendi que tenho o meu valor e que eu não preciso ser amado por ninguém para me sentir bem. E vou além: eu não preciso mudar minha personalidade ou o meu jeitinho de ser para que alguém possa ficar comigo. Eu descobri o meu valor e eu amo quem eu sou, eu amo a minha história, de onde eu vim, pelo o que passei, e tenho foco aonde eu quero chegar. E para finalizar, eu afirmo o meu maior desejo: que eu nunca deixe de acreditar no amor. Que eu perca a razão, que eu perca a cabeça, mas que eu não perca o amor. “É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã”, sim, hoje está sendo um dos dias mais felizes da minha vida, pois eu estou com as pessoas que mais amo nessa vida, celebrando o que poderia ser uma tragédia, mas fiz uma comédia 🖤

Uma publicação compartilhada por Dr Diogo Rabelo CRMSP 161208 (@drdiogorabelo) em

Mostre mais
Fechar