JOSÉ SERRA NA MIRA: Lava Jato usa grupo de elite da Polícia Federal em nova ação

Cerca de 10 equipes da Polícia Federal (PF), incluindo agentes do Grupo de Pronta Intervenção (GPI) – a elite da corporação – estão nas ruas de São Paulo cumprindo mandados de prisão, busca e apreensão ordenados pela Operação Lava Jato.

Segundo informações da GloboNews, as investigações miram crimes eleitorais praticados pelo ex-governador de São Paulo, José Serra (PSDB) na campanha de 2014.

Em nota, o Ministério Pública Federal (MPF) diz que a a ação cumpre quatro mandados de prisão temporária e 15 de busca e apreensão nas cidades de São Paulo, Itu, Itatiba e Brasília.

Um executivo da empresa de planos de saúde Qualicorp estaria entre os presos. Segundo a investigação, um acionista de uma empresa do ramo de saúde teria atuado no pagamento de colaboradores da campanha de Serra em 2014 e estaria envolvido em um esquema de Caixa 2, com desvio de R$ 5 milhões.

Além dos mandados de prisão, busca e apreensão, o MPF pediu o bloqueio dos bens de todos os envolvidos.

Lavagem internacional
No dia 3, Serra e a filha, Verônica, foram denunciados pela Lava Jato por lavagem internacional de dinheiro e alvos da operação “Revoada”, que cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao hoje senador tucano.

Revoada
A denúncia do Ministério Público Federal (MPF) imputada contra Serra e sua filha, Verônica, requer reparação no valor de 936.000,00 euros (novecentos e trinta e seis mil euros) – cerca de R$ 5,6 milhões.

Segundo a Lava Jato, Serra valeu-se de seu cargo e de sua influência política para receber, da Odebrecht, pagamentos indevidos em troca de benefícios relacionados às obras do Rodoanel Sul.

Em nota sobre a operação “revoada” e a denúncia contra o senador José Serra e a filha dele, Verônica, no início do mês a operação Lava Jato afirmou que a ação que, pela primeira vez, expõe o braço político da investigação em São Paulo, estado governado há décadas pelo PSDB, “reafirma seu compromisso com um trabalho técnico, isento e sereno”.

Acuada em meio à troca de acusações com a Procuradoria-Geral da República, que quer extinguir a força-tarefa, e diante de denúncias de compartilhamento de dados com o FBI, a Lava Jato diz na nota que vive “um momento de incertezas”.

“Em um momento de incertezas, a força-tarefa Lava Jato de São Paulo reafirma seu compromisso com um trabalho técnico, isento e sereno. As investigações seguem em sigilo”, diz o texto.

Mostre mais
Fechar