OPERAÇÃO REI DO CRIME: Polícia Federal apreende iates, carros de luxo, jóias e mais de R$730 milhões pertencentes ao PCC

A Polícia Federal realiza hoje em São Paulo e outros dois estados no Sul do Brasil a Operação Rei do Crime para desarticular um braço financeiro que opera em favor do PCC (Primeiro Comando da Capital) há mais de dez anos. A investigação interditou mais de 70 empresas e bloqueou, com autorização da Justiça, contas bancárias que superam R$ 730 milhões.

De acordo com a PF, o esquema de lavagem de dinheiro desarticulado hoje era feito por meio de postos de gasolina e de uma distribuidora de combustível. O principal alvo da ação é um homem identificado como Alemão. Esse homem teria uma rede de postos de combustíveis e estaria envolvido em outros crimes do PCC, como homicídio.

Investigações apontam que Alemão pode ter envolvimento no duplo assassinato, em 2018, de Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, e Fabiano Alves de Souza, o Paca, que eram os principais líderes da facção em liberdade até então. Eles foram mortos por roubar a própria facção.

Ao todo, 20 pessoas foram indiciadas e devem responder por organização criminosa e lavagem de dinheiro, de acordo com a PF. Entre os alvos da operação estão, além de Alemão, e uma pessoa que foi condenada pelo envolvimento no furto ao Banco Central do Brasil, ocorrido em Fortaleza em 2005.

Estão sendo cumpridos 13 mandados de prisão preventiva e 43 de busca e apreensão, além do sequestro de bens de 32 automóveis, nove motocicletas, dois helicópteros, um iate, três motos aquáticas, 58 caminhões e 42 reboque e semirreboque, que somam R$ 32 milhões. Os mandados foram expedidos pela 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo.

“Essa é a verdadeira face do PCC. Essa é a face que deve ser encarada por todos. Uma organização criminosa especializada em lavagem de dinheiro do tráfico de drogas”, afirmou o delegado Elvis Secco, coordenador-geral de Repressão a Drogas e Facções Criminosas da PF.

À imprensa, Secco afirmou que “enquanto comemorarmos apreensões pura e simples de drogas, a organização cresce. A PF em menos de dois meses sequestrou quase R$ 450 milhões em bens, a maioria da facção criminosa paulista. Dinheiro é poder, tirando o dinheiro, você tira o poder”.

Ao todo, 73 empresas foram investigadas e interditadas na manhã de hoje. A PF solicitou em juízo que essas empresas passem a ser administradas pela Senad (Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas), órgão do Ministério da Justiça, “para garantir que funcionários e terceiros não sejam prejudicados”.

A PF pretende, até dezembro, apreender R$ 1 bilhão do crime organizado brasileiro. O Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) também forneceu relatórios de inteligência financeira à Polícia Federal apontando movimentações atípicas do grupo investigado, cujo valor ultrapassa a cifra de R$ 30 bilhões.

O delegado Rodrigo de Campos Costa, que atua na investigação e combate ao crime organizado em São Paulo, afirmou que o caminho do dinheiro ou passava por um laranja ou passava por um beneficiário que já tinha passado pelo PCC.

“Foi um grande mapeamento das ações financeiras. A estrutura que nós identificamos é uma estrutura sólida no mercado. Não é uma lavagem pontual”, afirmou o delegado Costa.

Para o professor de Gestão Pública da FGV (Fundação Getúlio Vargas) Rafael Alcadipani, esse tipo de operação deve ser elogiada. “Vai no coração financeiro da facção criminosa. É completamente diferente daquela ação cotidiana de ficar prendendo pequeno traficante, que não leva a nada”, afirmou.

“Prender o traficante que está ali na ‘biqueira’ não funciona. Apenas lota a cadeia, torna essa pessoa mais perigosa quando entra na cadeia e não atinge em nada a facção. Nem arranha a facção. Essas operações da PF estão gerando problemas grandes para o PCC, porque está se pegando dinheiro”, analisou o professor que também é membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Mostre mais
Fechar