RACHA NA IGREJA CATÓLICA: Grupos religiosos querem boicotar Campanha da Fraternidade 2021 por defender LGBTs e religiões de matrizes africanas – ENTENDA

Grupos católicos têm usado as redes sociais para se manifestar contra a realização da Campanha da Fraternidade 2021, cujo mote é “Fraternidade e diálogo: compromisso de amor”. Com temas pautados pela pastora luterana e ativista que atua em prol da legalização do aborto Romi Bencke, o texto-base do evento surpreendeu pela defesa explícita da população LGBTQI.

O documento cita dados do Atlas da Violência 2020 do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). O levantamento mostra que só em 2018 foram registrados 1.685 casos de violência contra pessoas desse grupo demográfico.

“São efeitos do discurso de ódio, do fundamentalismo religioso, de vozes contra o reconhecimento dos direitos das populações LGBTQI+ e de outros grupos perseguidos e vulneráveis”, diz o texto-base.

Em nota, a presidência da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) declarou que o documento do evento deste ano foi baseado nas doutrinas do Conic (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs). Leia a íntegra do comunicado.

Se a campanha é católica, por que temos de abrir nossa consciência, corações e bolsos para a infiltração dogmática anticatólica?”, questionou o grupo Apostolado Filhos de Santo Atanásio.

Participaram da concepção da Campanha da Fraternidade 2021 oito movimentos cristãos brasileiros: Igreja Católica Apostólica Romana, por meio da CNBB; Aliança de Batistas no Brasil; Igreja Episcopal Anglicana; Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil; Presbiteriana Unida; Sirian Ortodoxa de Antioquia; Igreja Betesda; e o organismo ecumênico Ceseep.

O grupo Templário de Maria afirma que a CNBB usou o período quaresmal para tratar de assuntos contrários à fé católica. Critica o aceno a pessoas LGBTQ, às religiões de matriz africana e a Marielle Franco, vereadora pelo Psol do Rio de Janeiro morta a tiros em 2018.

Outro alvo da desaprovação do Templários de Maria: a defesa ao lockdown feita pela CNBB em seu texto-base. “É um texto que acusa de serem sem caridade e sem consciência os fiéis que não concordaram com o lockdown nas igrejas que deixa milhares de brasileiros sem acesso aos sacramentos“, disse a organização.

Pesquisa PoderData realizada em outubro de 2020 mostrou que 45% dos brasileiros que seguem alguma religião ou acreditam num ser superior acompanham cultos pela TV ou internet por causa da pandemia de coronavírus. Outros 30% praticam suas religiões em casa. Os que iam a igrejas ou templos eram 14%.

“[A CNBB] critica o que chama de ‘lobby religioso’ por pedir às autoridades que as celebrações litúrgicas fossem incluídas entre as atividades essenciais [durante a quarentena, em 2020]. Mas promove o lobby que exige ‘o reconhecimento dos direitos das populações LGBTQI+ e de outros grupos perseguidos e vulneráveis’. Acusa aqueles que se opõem à agenda desse lobby de serem responsáveis por homicídios“, diz o manifesto do Templário de Maria. Leia a íntegra.

Em carta ao presidente da CNBB, o arcebispo militar do Brasil, Dom Fernando Guimarães, afirmou que o Ordinariado Militar do Brasil não utilizará os “materiais produzidos oficialmente para a Campanha da Fraternidade” durante a Quaresma de 2021. Disse que o serviço de assistência religiosa das Forças Armadas é ecumênico por natureza, pois lida com integrantes de diversos segmentos religiosos.

Na avaliação do arcebispo, o diálogo inter-religioso deve ser promovido por sedes competentes da igreja católica, que não a CNBB. Dom Fernando criticou ainda o uso do período da Quaresma para a abordagem de temas considerados polêmicos e contrários à doutrina católica. Leia a íntegra do ofício.

A pastora luterana Romi Bencke recebeu carta de solidariedade de diversos movimentos sociais, conforme noticiado pela revista Carta Capital, na 2ª feira (9.fev). Entre os grupos estão a Aliança LGBT de Minas Gerais e as Católicas pelo Direito de Decidir.

BOLSONARO INSPIROU O TEMA

O tema “Fraternidade e diálogo: compromisso de amor” foi definido “sobretudo pelo que ocorreu no Brasil depois do surgimento do governo Bolsonaro, quando a sociedade ficou muito dividida“, afirmou à DW Brasil o padre Antonio Carlos Frizzo, assessor eclesiástico da Pastoral de Fé e Política e um dos secretários da CNBB responsáveis pela campanha.

Segundo ele, o Conic se encontrou com a CNBB e definiu o tema “diálogo” por causa da “divisão” observada na sociedade depois da eleição do atual presidente, em 2018.

Lulistas e bolsonaristas, esquerda e direita… E uma forte onda negacionista dizendo que não existe pobre, que foram as esquerdas que levaram o país à ruína… Ficou muito dividida a sociedade. E a Igreja também. Este tema é para tentar buscar superar essa divisão por meio do diálogo“, disse Frizzo.

No Brasil, desde a ascensão do Bolsonaro, as fake news, as mentiras que parecem verdade, pululam nas redes sociais. Desta vez é um grupo chamado [Centro] Dom Bosco, que fez um vídeo falando mal da campanha, de maneira muito mentirosa e violenta”, afirmou o padre.

O Centro Dom Bosco é uma organização católica sediada no Rio de Janeiro, conhecida por costumes ultraconservadores. “A Campanha da Fraternidade é conduzida por protestantes revolucionários com o objetivo explícito de introduzir ideias anticatólicas em nossas dioceses“, diz a organização.

A CNBB informou que o dinheiro arrecadado pelo Fundo Nacional de Solidariedade, por meio da Campanha da Fraternidade, distribuiu R$ 3,8 milhões em 2019 para apoiar 218 projetos que impactaram 200 mil pessoas em situação de vulnerabilidade socioeconômica.

Com início na 4ª Feira de Cinzas (17.fev), a tradicional Campanha da Fraternidade será ecumênica neste ano, com a união das igrejas cristãs. As ações vão até 28 de março, no Domingo de Ramos, que é o dia oficial de coleta de doações para a iniciativa.

Mostre mais
Fechar