Sindicato dos professores de escolas privadas acionarão o Ministério Público do Trabalho após denúncias anônimas de que algumas escolas já teriam retomado atividades

O Sindicato dos Trabalhadores de Estabelecimento do Ensino Privado da Paraíba decidiu acionar o Ministério Público do Trabalho  após o recebimento de denúncias de que professores teriam retornado ao ensino na modalidade presencial em João Pessoa.

“Nós vamos acionar o Ministério Público do Trabalho para que haja uma fiscalização e uma cobrança, para que esses donos das escolas, cumpram com os protocolos de biossegurança determinadas pelas organizações de saúde e sanitária”, revelou o representante do Sindicato dos Professores, Antônio Arruda.

Uma das recomendações levadas ao Ministério Público do Trabalho foi a instalação de cabines de proteção nas salas de aula, inclusive, segundo Arruda, aceita pelo órgão. “Não dá para o professor passar quatro, cinco horas com a máscara, pois ele fala bastante e isso pode trazer problemas na respiração”, frisou, acrescentando que o uso de cabines é considerado um modelo pioneiro no País.

Os docentes voltaram as aulas presenciais, mas estão temerosos com a situação. “Os professores retornaram com medo de perder os seus empregos, mas também estão em pânico com medo de ser contaminado. Com isso, pode o socorro ao sindicato, mas no anonimato e aí é muito problemático, pedindo que a gente faça alguma coisa, mas fica muito difícil”, afirmou.

Segundo o representante, os professores temem denunciar por medo. “A única coisa que eles dizem que foram forçados, inclusive ficar calado, mas aí aquela velha questão. A gente não pode abrir uma denúncia dessa porque se abrir, o professor que for falar vai ser demitido daquela escola”, frisou, destacando que após a reforma trabalhista, o sindicato da rede particular só pode representar o professor que é associado.

Mostre mais
Fechar