TCU afasta auditor que produziu relatório citado por Bolsonaro

A presidente do Tribunal de Contas da União, Ana Arraes, acatou nesta quarta-feira 9 o pedido do corregedor Bruno Dantas para que o auditor Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques, que produziu um relatório com dados não comprovados sobre as mortes por Covid-19 no Brasil, seja afastado preventivamente do cargo e investigado pela Polícia Federal.

Agora, o auditor ficará proibido de ingressar no prédio do tribunal e de acessar sistemas internos por até 60 dias.

O suposto documento feito por Marques, que foi usado pelo presidente Jair Bolsonaro na segunda-feira 7, dizia que 50% das mortes registradas por Covid-19 no Brasil, na verdade, tiveram outras causas.

No mesmo dia, o TCU desmentiu o presidente sobre os números citados. “O TCU esclarece que não há informações em relatórios do tribunal que apontem que ‘em torno de 50% dos óbitos por Covid no ano passado não foram por Covid’, conforme afirmação do Presidente Jair Bolsonaro divulgada hoje”, diz o texto.

Na terça-feira 8, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), membro da CPI da Covid, afirmou que é urgente a necessidade de aprovar a quebra dos sigilos do auditor.

“Um auditor do TCU criminosamente interveio no sistema do tribunal e adulterou dados. Este é um sigilo que inevitavelmente terá de ser quebrado, logo, de imediato, por esta CPI”, disse Randolfe em entrevista coletiva.

“O que ocorreu foi gravíssimo. O presidente espalhou uma notícia mentirosa sobre o TCU e, em seguida, foi desmentido pelo próprio TCU. Foi algo grave. É importante apurarmos por que esse auditor fez isso. Isso tem relação direta com a CPI. A quem interessa subestimar ou adulterar de forma triste e lamentável [os dados], em prejuízo à memória das 470 mil vítimas da Covid-19?”, acrescentou.

Mostre mais
Fechar