Twitter e Instagram são boicotados após post antissemita de rapper britânico

Políticos, celebridades e outras figuras públicas no Reino Unido começaram um boicote de 48 horas ao Twitter e ao Instagram nesta segunda-feira (27) após uma série de críticas à forma como as plataformas reagiram a comentários antissemitas publicados pelo rapper britânico Wiley na sexta-feira (24).

O Twitter e o Instagram removeram uma série de posts em que o artista fazia comparações entre a comunidade judaica e a Ku Klux Klan, além de outros comentários, e impediram Wiley de fazer novas postagens por uma semana. No entanto, uma parte dos posts do músico, que insinuam uma ligação entre os judeus e os americanos proprietários de escravos, permanece pública.

O boicote às redes sociais ganhou apoio da principal entidade judaica dos EUA, o American Jewish Committee, os atores Jason Isaacs e Eddie Marsan, a banda McFly, entre outros.

As plataformas também se posicionaram após o movimento. O Facebook disse que não havia lugar para discursos de ódio no Instagram. “Excluímos o conteúdo que viola nossas políticas desta conta e bloqueamos o acesso por sete dias”, afirmou a empresa.

O Twitter disse que a plataforma condenou fortemente os abusos e o assédio. “Nós aplicamos nossas regras de maneira criteriosa e imparcial para todos, e tomamos medidas se uma conta violar nossas regras”, afirmou, acrescentando que proíbe imagens e conteúdos de ódio que promovam violência contra indivíduos com base em características como a fé.​

Mostre mais
Fechar